quinta-feira, 1 de abril de 2010

Mistérios de Pelicana II: a triste história de uma borracha.

Parte 2
Parte 1: aqui!


No início de 2010 ninguém lembrava de Pelicana. Na verdade, ninguém se lembrava de praticamente nada relacionado a escola, uma vez que aquelas haviam sido uma das melhores férias de todos os tempos; ou dependendo do referencial, o ano anterior havia sido o mais infernalmente corrido em termos escolares. Fato é que ninguém estava afim de aula. Um belo dia, um Lucas muito saltitante tira algo do estojo e mostra radiante aos seus amigos: "Olha o que eu comprei, uma Pelicana!!!!". O regozijo foi intenso, afinal ninguém se lembrava mais como era uma Pelicana bela e plena, sem pedaços faltando. Um minuto de silêncio se sucedeu quando Naná, que permanecia traumatizada pelo fim trágico que levara sua querida borracha, retirou do estojo a coisa disforme e pequena que restara da Pelicana-mor.

Ficou acordado que a nova borracha poderia levar o nome de Pelicana, só que a antiga, a sofrida, a pobre Pelicana anciã deveria ser sempre lembrada como precursora da dinastia Pelicana, sendo logo promovida a Pelicana Mãe.

Mas, como diz o ditado, alegria de pobre dura pouco: "CADÊ A PELICANA?!! O QUE VOCÊS FIZERAM COM A PELICANA?????!!!!" berrava Lucas enquanto revirava repetitivamente seu estojo (que na verdade é um case de PSP onde ele também carrega lápis e caneta), sua pasta, seus bolsos.

Uma vez que todo o grupo era formado por crianças de oito anos aprisionadas em corpos de adolescentes de dezesseis, Lucas logo iniciou suas acusações, já que um dos passatempos mais corriqueiros observado nesse grupo de pessoas é pegar as coisas dos coleguinhas e esconder, just to the hell of it, como diria Holden Caulfield. O primeiro acusado fora GOX, vulgarmente conhecido como Filipe, sem nenhum motivo aparente. Ofendido com as acusações iniciou um intenso bate-boca com Lucas, o Chato, já que é de hábito desse estudante obcecado por bochechas perder suas coisas, ou simplesmente esquecê-las em casa, e acusar seus pobres amigos de roubo. GOX logo fora absolvido e retornou a sua cantoria solitária de músicas traduzidas de Lady Gaga, enquanto Lucas, imerso em uma fúria de titã, voltou-se para Matheus, um habitué no que diz respeito a roubar coisas dos outros, que detem a posse da uma caneta vermelha da sofrida Anna Vitória; a cara de pau dele é tamanha que falando ele até a convence de que a caneta sempre fora dele, e quem quer roubar, no caso, é ela. Pobre Anna Vitória!

No frigir dos ovos, todas as mochilas foram reviradas, no estojo de Matheus apenas fora encontrado um lápis de escrever de Naná; nas coisas de Naná não havia nada demais, só uma pequena bolsa cor-de-rosa onde se encontravam um espelho, anti-ácidos e fósforos; na bolsa mágica de Anna Vitória pôneys coloridos saltaram, enfeitiçando a todos com muito amor; e nas coisas de Sofia haviam apenas alguns desenhos de girassóis; já na de Caio, depois do incidente com as velas, ninguém se arriscou a mexer. De Pelicana, nada, só a triste e breve lembrança.

Foi uma semana difícil para Lucas. Desolado e solitário na Barreto's Mansion ele andava, cantarolando baixinho "Vento no Litoral" e se lembrando dos fugazes e intensos momentos que passara com Pelicana, "olha só o que eu achei... cavalos marinhos..." e via a ele mesmo desenhando cavalos marinheiros na parede da sala de cinema, e apagando-os com facilidade ímpar com a potente Pelicana.

Ele que não sabia que todo esse sofrimento seria recompensado pelo triunfal reencontro...

(continua...)

14 comentários:

  1. Que trágica a história da Pelicana, já já dá um livro (sei lá, "As fantásticas aventuras da borracha Pelicana"). Aposto que na próxima parte eu choro :P

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. acredite ou não, mas eu já tive um Pelicana! Não consegui usá-la até o seu último suspiro de vida, não porque alguém a mordeu e consequentemente a despiu, mas sim porque ela desapareceu...
    eu acho que a idéia de fabricá-las enormes não foi uma boa estratégia para evitar sua perda...
    de qualquer forma, eu ri muito, de verdade!

    seus textos são ótimos..
    acho que já disse isso um vez!

    beijos :**

    ResponderExcluir
  3. Eu nunca vi essa borracha na minha vida, mas fiquei apaixonada pelo tamanho dela. Quero uma, me dá? Eu adorei a história, continua ok? Tá engraçado kkkkkk Pelo menos eu ri muito D:

    Feliz pascoa!
    xx

    ResponderExcluir
  4. HAHAHAHAHAHAHA!!!!!!
    "um Lucas muito saltitante"
    "GOX, vulgarmente chamado de Felipe"
    "olha só o que eu achei... cavalos marinhos..."
    HAHAHAHAHAHAHA.....!!!!!!!!!!!
    Muito bom!!! Escreva mais coisas destas, e poste em dias como o Domingo de Páscoa, dias sem graça.
    beijos!

    ResponderExcluir
  5. aaah to mt curiosa agora pra saber o resto da história!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    beijo grande!!

    ResponderExcluir
  6. aah não, eu ri demais, só você mesmo, impossível!
    AMEI!
    beeeijo, queri!

    ResponderExcluir
  7. Ofendido com as acusações iniciou um intenso bate-boca com Lucas: "Lucas te fode, eu não peguei nada"

    GOX logo fora absolvido e retornou a sua cantoria solitária de músicas traduzidas de Lady Gaga: "Sou o seu grande fã , vou te seguir até que você me ame
    Papa-Paparazzi"

    AUSHAUSHAUSHAUSHAUSHAUS
    ADOREI
    Feliz Páscoa para você e para a Pelicana

    ResponderExcluir
  8. Cacilda! Essa Pelicana devia ser mesmo raríssima. Não me lembro dela nos meus tempos de escola, mas acredito piamente no seu relato, Anna!
    E a senhorita tá convidada pro nosso niver, beleza?
    Bjooo!!

    ResponderExcluir
  9. hahahah adorei muito o texto, estou aguardando a continuação!

    "just to the hell of it, como diria Holden Caulfield" MARA :'D

    ResponderExcluir
  10. "...crianças de oito anos aprisionadas em corpos de adolescentes de dezesseis." Só você para inventar uma dessas, né Anna?! huahua

    Ri muito com o texto. Nunca vi uma Pelicana, mas depois de ler tudo isso a respeito dela (e a emoção que ela devia dar para todo esse povo o-o), eu com certeza quero uma. XD



    Bjuss, =*

    ResponderExcluir
  11. HAHAHAHAHA onde é que isso td vai parar meu DEUS!!
    Tava lembrando, já tive uma dessas, mas sei qual foi o fim dela, encolheu após o uso sistemático apagando desenhos do papel e erros da minha memória e depois foi ao lixo, por conta de uma ex-namorada que adorava arrumar as coisas e jogar td no lixo. =X

    Mas esta saga parece q não terá fim, Anna!! Hhehe que loucuraaa ehehe que venha a próxima parte(ou capítulo)!!
    E pensar que as emissoras de Tv sofrem pra criar conteúdo para seus programas, séries e novelas e tem vc aqui, uma usina de idéias e talento!! =)
    Bjos

    ResponderExcluir
  12. Chorei de rir!!!
    Que historinha trágica, que drama shakesperiano!

    Adoro teus devaneios com os pequenos detalhes da vida, moça.

    Beijao.

    ResponderExcluir
  13. Ai Anna, essa história está ficando engraçada e tem até um suspense.
    Dei risada a hora que você descreveu sua bolsa.
    Bjitos!

    ResponderExcluir