quarta-feira, 6 de julho de 2011

Gente que nunca ouviu Tempo Perdido

"Todos os dias quando acordo
Não tenho mais o tempo que passou
Mas tenho muito tempo, temos todo o tempo do mundo
Todos os dias, antes de dormir
Lembro e esqueço como foi o dia
Sempre em frente, não temos tempo a perder"
Tempo Perdido - Legião Urbana
Se tem uma coisa que me tira do sério é o pessoal dizendo que o tempo está passando rápido demais. Sou obrigada a ouvir esse tipo de constatação brilhante ao menos uma vez por dia, mas vai chegando o meio do ano e a coisa piora. Parece que todo mundo resolve coçar a barriga e exclamar: nossa, o tempo está voando, parece que ontem foi o Reveillon! Ah, credo, como o tempo está passando rápido, já estamos em julho, daqui há uns dias já é Natal.

Não, daqui há uns dias não é Natal. Aliás, vai demorar um bocado pro Natal chegar. 

Minha teoria é meio óbvia: as pessoas estão se esquecendo de viver no presente. Já reparou que todo mundo passa a semana inteira esperando pelo fim de semana, e quando chega o tão esperado descanso elas passam metade dele murmurando porque a segunda está logo ali? Sem falar que quando começa um mês novo, depois de passarem três dias se lamentando, oh-meu-Deus-já-estamos-em-julho, a cada dia que passa as pessoas decretam que o mês já acabou. Mas que coisa, hein, estamos no dia 10, julho já foi embora. Estou me fazendo entender?

E ainda tem aqueles nostálgicos que passam a vida dizendo que antigamente era muito melhor, que os dias duravam muito, as férias eram eternas, tinha-se tempo para ficar com a família... Antigamente nós éramos crianças e não tínhamos nada pra fazer da vida, é claro que passava mesmo devagar e claro que as férias eram eternas, pois eram 30 dias cheios de nada pra quem estava acostumado a só ir pra escola e ficar colorindo, o que é quase nada. Tinha-se tempo pra ficar com a família porque ninguém tinha internet, smartphone e tv à cabo e eu garanto que o "tempo em família" não era nada parecido com a visão idealizada que as pessoas fazem de todos de mãos dadas cantando Imagine, mas sim todos mortalmente entediados em busca do que fazer. Porque se fosse tão bom assim, o espertão não ia trocar o tempo precioso com a família por Angry Birds ou algo do tipo. 

Só queria que as pessoas prestassem mais atenção com o que fazem com os seus dias ao invés de vivê-los já pensando no que irão fazer daqui a meia hora ou se falta muito tempo pro almoço. O tempo passa exatamente da mesma maneira, fomos nós que mudamos, nós que corremos demais e nós que não paramos pra pensar no que estamos fazendo. Para ver que muita água já rolou por baixo da ponte, pense na quantidade de coisas que já aconteceram esse ano: o Japão foi destruído, o Osama foi capturado, o Mundo Árabe está pegando fogo, a Grécia vai quebrar, a novela das oito está sensacional e o Rock In Rio vai ser um saco. Isso tudo e Harry Potter nem estreou ainda!

Mas se tudo isso foi muito difícil só peço que, por obséquio, não aluguem mais os meus ouvidos com esse tipo de conversa.



Atualizando: Dona Jana fez um comentário muito ótimo sobre o tema, que quase renderia um novo post, e a Gabi deu a ótima ideia de incorporá-lo ao post, para enriquecer nossa discussão. Ei-lo: 
Na verdade, essa sensação de o tempo estar passando mais rápido tem dois embasamentos científicos que desculpam todas essas pessoas agoniadas com a vida que não sabem aproveitar o cotidiano :)

Eu me lembro bastante, no final do Ensino Médio, com todos comentando como o tempo estava passando mais rápido, e como as professoras sempre diziam que o segundo semestre passava mais rápido (mas aí é porque é mais curto hahahaha)... Uma vez, no salão de beleza, ouvi uma mulher comentar: "Deus está apressando as coisas porque os tempos são ruins." E aí não dá pra negar que essa sensação é inerente a todos nós. (E é um assunto tão bom que até eu, a senhorita não-posta-mais, já fiz post disso. Há muuuuuito tempo, mas fiz!)

A primeira explicação é que, não, os anos que vivemos não são vividos da mesma forma. Pensar que os próximos 20 anos da minha vida vão durar tanto quanto durou os últimos 20 é completamente errôneo. Quando nós nascemos e quando nós somos crianças, temos tão pouco tempo de vida que tudo parece extremamente longo. Quando nós temos 5 anos, por exemplo, a duração de um ano equivale a 20% do que já vivemos. Mas quando já fizemos 20 anos, um ano é somente 5%. 20% hoje, para mim, significam 4 anos. Então a sensação de passagem de um ano que eu tinha aos 5 equivale hoje à passagem de 4 anos. Quando nós somos mais velhos e temos maior bagagem, percebemos que um ano realmente não significa muita coisa, 5% de tudo o que já vivi, isso é tão pouco! Mas quando você tem apenas um ano de viva, um ano é tudo o que você compreende, imagina viver o mesmo tanto que já viveu? Ah, mas isso é muito!

Então, sim, o tempo passa mais rápido conforme crescemos porque vamos nos acostumando com o mundo e compreendendo a passagem do tempo. É por isso, Anna, que a infância é tão importante para definir uma pessoa, pelo significado desse tempo. Quando uma pessoa está na idade adulta, os anos não significam grande coisa, e todos os acontecimentos se misturam.

Mas tem outra coisa ainda! (Escrevendo muito, mas ok... Se eu não escrevo no meu blog, pelo menos no dos outros!) O nosso cérebro, obviamente, não é infinito. E ele faz o máximo possível para economizar seu espaço, poupar seu esforço. Você já teve a sensação de estar caminhando por um trajeto que faz diariamente e de repente já ter chegado? Ou de pegar as escadas que sempre desce e então já aparecer lá embaixo? Quando fazemos uma ação todos os dias, o nosso cérebro não tem a menor intenção de guardar a memória de todos os dias, pois isso seria um esforço desnecessário. O que ele faz? Ele guarda uma memória, uma vez. Quando você desce aquela escada e chega lá embaixo, o cérebro imediatamente apaga a memória atual, deixando armazenada a padrão. Assim, fica parecendo que você nem desceu. Você sabe que faz aquilo todos os dias, mas por algum motivo não consegue se lembrar exatamente de como foi descer as escadas hoje. Quanto mais nosso cotidiano é igual, parecido, mais do mesmo, mais o nosso cérebro faz isso, e mais fica parecendo que as coisas não estão acontecendo.

Se todo fim de semana você assiste TV, pede comida chinesa, dorme no sofá, se toda semana você vai pra aula, estuda, fica no computador, é óbvio que o cérebro não vai guardar um horror de memória iguais. O que ele faz é guardar uma, talvez duas, vezes. E aí é natural que você ache que o tempo está VOANDO, porque o cérebro está apagando as suas memórias, e você perde a noção real do tempo (que já é reduzida pelo que falei no primeiro ponto).

Então palmas para as pessoas que inovam no seu cotidiano, que não se mantém presas a uma rotina alllllllllways igual e boring, porque são essas que vão ter a sensação de TRULLY VIVER A VIDA, sem perder uma só memória. A dica é, pra quem quer que seja, de SER DIFERENTE, de fazer coisas diferentes. Driblar o cérebro para ele não apagar as lembranças! Tirar um fim de semana pra viajar, aproveitar uma segunda-feira pra tomar sorvete, comprar roupas na sexta seguinte. Um dia voltar da escola a pé, ou de ônibus, numa rota diferente... São essas pequenas mudanças que vão ficar marcadas na memória, e é uma boa forma de aproveitar a vida :)

Aiiiiii sorry se escrevi muito, mas também já fui muito incomodada com esse assunto e queria completar seu post... beijinhos! 

26 comentários:

  1. * Oi Ana!

    Linkei teu texto sobre a volta do mundo blogueiro nesse post: http://onesongadayfor365.blogspot.com/2011/06/quarta-15-06-2011-adendo.html

    Gostei muito dele e sempre dou uma passadinha por aqui para ver o que tá rolando!

    Bjbj =)

    ResponderExcluir
  2. Ai, concordo! Aliás o que eu mais odeio é esse muro de lamentações chamado Twitter. Aposto que foi lá - e no Facebook - que você ouviu tudo isso. Por isso me abstenho.

    ResponderExcluir
  3. Olha. Eu tenho culpa no cartório porque eu comentei no twitter que já é julho e que jajá é Natal. Mas eu também acho que as pessoas falam esse tipo de coisa demais, só que me irrita num mesmo nível de 'nossa, que frio' ou 'nossa que calor' ou 'nossa, vai chover'. Sabe? Assuntos de quem não tem o que falar e eu os classifico todos da mesma maneira.

    Sobre o tempo mesmo eu si, eu concordo. Que a gente vive o dia esperando a hora do almoço e depois a hora de ir embora e depois o fim de semana e depois o próximo feriado e depois as férias. Mas eu acho SIM que o tempo passa rápido, muito principalmente porque eu sou uma mulher solteira e sem filhos com 31 anos. Nessa idade e nessas condições, Anninha, o tempo voa. hahaha.

    Eu tenho sentimento de nostalgia sim. Tenho saudade dos tempos idos mas, principalmente (e citando a mesma Legião Urbana), saudade de tudo que eu ainda não vi. Porque hoje eu tenho sim saudade da minha infância e dos meus tempos de escola e de empregos anteriores (mas minha família não dava as mãos ao som de Imagine não, era um saco quando eu passava as tardes de domingo assistindo Raul Gil no sofá da sala), mas tenho consciência de que, em um estalar de dedos, de repente eu vou ter 50 anos e terei saudade de quando eu tinha 30 e morava sozinha.

    Amei o texto (como sempre). O dia que a sua mãe não te quiser mais, pode ir morar lá em casa. Mas arrume seu armário. rs

    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Ui' ,eu tenho uma mania TERRÍVEL de não viver o presente. É sempre assim. Na semana intensa do teatro foi assim. A semana de antes eu fiquei inteira pensando: A próxima semana vai ser incrível! E aí quando a segunda feira chegou eu ficava: AH MEU DEUS, JÁ VAI ACABAR. Imagine! Saí da aula chateada na segunda porque já tinha ido um dos dias. ¬¬
    Preciso aprender com você a lidar melhor com o tempo...
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Igi Maria, Anna, ainda bem que você não leu meu post anterior, então, porque era justamente sobre o tempo passando rápido que eu falava.

    E apesar de ver o seu lado, tenho que sustentar minha opinião. Depois que viramos adultos, quase não temos tempo para o ócio e as coisas começam a passar por nós mesmo. Eu já visitei muito o passado, e vivia esperançosa com o futuro, mas aprendi a gostar do presente e o fato é que ainda assim, sinto que o tempo vai embora depressa.

    Quem sabe daqui um tempo você compartilha da mesma opinião. Ou não, eu é que debando pro teu lado. rs...

    beijinhos*

    ResponderExcluir
  6. Hahahaha! Óóóóótimo post, Anna! Concordo com tudo que vc falou. As pessoas já não se contentam mais com o presente, nunca estão satisfeitas e vivem na ansiedade pelo futuro.
    E ah, adoro essa música!

    ResponderExcluir
  7. Tá estressada, Anna?

    ResponderExcluir
  8. Tá estressada, Anna? [2] haha

    Depois dos 18 anos o tempo VOA! Isso é um fato. Você já deve tá cansada de ouvir isso também, mas o que fazer? Pior que é verdade mesmo. Eu, nos meus 20 e poucos anos, fico aqui implorando pro dia ter mais de 24hrs, mas não adianta. Já estamos em julho :P

    ResponderExcluir
  9. Eu concordo contigo, as pessoas estão deixando de viver o presente, estão se prendendo no passado e no futuro. Mas né, o presente fica onde?
    Eu sou dessas, confesso. Penso demais no futuro, em como vai ser, fico fazendo mil planos e tal e esqueço de curtir os dias.
    Senti um puxão de orelha com teu post. haha
    Mas gostei. às vezes a gente precisa de alguém que abra nossos olhos. (:
    Beijo Anna.

    ResponderExcluir
  10. Confesso que reclamo um pouco sobre "o tempo que tá passando rápido demais". Mas ando vivendo muito mais o hoje por achar que ele vai passar logo e preciso sugá-lo até a última gota.

    PS: Seu texto é ótimo, como sempre.

    ResponderExcluir
  11. Oi Anna,
    Eu reclamo um pouco, e as vezes fico feliz quando tenho a sensação de que um dia passou logo. Principalmente agora que anseio loucamente pelo dia 15, pois quase todo meu pagamento se foi nas minhas continhas do mÊs :/

    Mas eu gosto de viver cada dia devagarzinho, ver as cores, sentir o cheiro, e nos tempos atuais... O FRIO hehe.

    AMEI seu texto. E amo essa música do Legião *--*
    Saudade daqui.
    Um Beijão, Anna

    ps: Quando crescer, quero escrever bem que nem você!

    ResponderExcluir
  12. Sou dessas que sente o tempo passar muito rápido. Antes mesmo de acontecer, já fico com medo de acabar. Falo isso também. Minha irmã me xingou esses dias porque eu falei que julho já estava acabando e ela me disse a mesma coisa que você: "quer fazer o favor de aproveitar o presente?"

    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Ih, nem achei que você pareceu estressada!
    Eu concordo muito com você, apesar de ser bem dessas que não vive o presente hehehe, como você pôde ver hoje mesmo no twitter.
    Mas depois de fazer um artigo de teoria da comunicação sobre a pós-modernidade, compressão do espaço e do tempo e os não-lugares (assunto pra outra vida), eu posso dizer (uui) que toda essa sensação de tempo passando muito rápido é culpa mesmo da fragmentação e dos avanços tecnológicos da pós-modernidade. Tudo acontece agora de uma maneira tão rápida, uma viagem que demorava séculos agora é feita em 3 segundos, que a gente não percebe mais o tempo passado e fica desnorteado com isso tudo. É o mal-estar na civilização do qual já falava Freud! hihihihi
    No mais, meu aniversário está bem aí, junto com o do Harry, e eu ainda nem comprei minha passagem para São Luís!

    ResponderExcluir
  14. Na verdade, essa sensação de o tempo estar passando mais rápido tem dois embasamentos científicos que desculpam todas essas pessoas agoniadas com a vida que não sabem aproveitar o cotidiano :)
    Eu me lembro bastante, no final do Ensino Médio, com todos comentando como o tempo estava passando mais rápido, e como as professoras sempre diziam que o segundo semestre passava mais rápido (mas aí é porque é mais curto hahahaha)... Uma vez, no salão de beleza, ouvi uma mulher comentar: "Deus está apressando as coisas porque os tempos são ruins." E aí não dá pra negar que essa sensação é inerente a todos nós. (E é um assunto tão bom que até eu, a senhorita não-posta-mais, já fiz post disso. Há muuuuuito tempo, mas fiz!)

    A primeira explicação é que, não, os anos que vivemos não são vividos da mesma forma. Pensar que os próximos 20 anos da minha vida vão durar tanto quanto durou os últimos 20 é completamente errôneo. Quando nós nascemos e quando nós somos crianças, temos tão pouco tempo de vida que tudo parece extremamente longo. Quando nós temos 5 anos, por exemplo, a duração de um ano equivale a 20% do que já vivemos. Mas quando já fizemos 20 anos, um ano é somente 5%. 20% hoje, para mim, significam 4 anos. Então a sensação de passagem de um ano que eu tinha aos 5 equivale hoje à passagem de 4 anos. Quando nós somos mais velhos e temos maior bagagem, percebemos que um ano realmente não significa muita coisa, 5% de tudo o que já vivi, isso é tão pouco! Mas quando você tem apenas um ano de viva, um ano é tudo o que você compreende, imagina viver o mesmo tanto que já viveu? Ah, mas isso é muito!

    Então, sim, o tempo passa mais rápido conforme crescemos porque vamos nos acostumando com o mundo e compreendendo a passagem do tempo. É por isso, Anna, que a infância é tão importante para definir uma pessoa, pelo significado desse tempo. Quando uma pessoa está na idade adulta, os anos não significam grande coisa, e todos os acontecimentos se misturam.

    Mas tem outra coisa ainda! (Escrevendo muito, mas ok... Se eu não escrevo no meu blog, pelo menos no dos outros!) O nosso cérebro, obviamente, não é infinito. E ele faz o máximo possível para economizar seu espaço, poupar seu esforço. Você já teve a sensação de estar caminhando por um trajeto que faz diariamente e de repente já ter chegado? Ou de pegar as escadas que sempre desce e então já aparecer lá embaixo? Quando fazemos uma ação todos os dias, o nosso cérebro não tem a menor intenção de guardar a memória de todos os dias, pois isso seria um esforço desnecessário. O que ele faz? Ele guarda uma memória, uma vez. Quando você desce aquela escada e chega lá embaixo, o cérebro imediatamente apaga a memória atual, deixando armazenada a padrão. Assim, fica parecendo que você nem desceu. Você sabe que faz aquilo todos os dias, mas por algum motivo não consegue se lembrar exatamente de como foi descer as escadas hoje. Quanto mais nosso cotidiano é igual, parecido, mais do mesmo, mais o nosso cérebro faz isso, e mais fica parecendo que as coisas não estão acontecendo.

    Se todo fim de semana você assiste TV, pede comida chinesa, dorme no sofá, se toda semana você vai pra aula, estuda, fica no computador, é óbvio que o cérebro não vai guardar um horror de memória iguais. O que ele faz é guardar uma, talvez duas, vezes. E aí é natural que você ache que o tempo está VOANDO, porque o cérebro está apagando as suas memórias, e você perde a noção real do tempo (que já é reduzida pelo que falei no primeiro ponto).

    ResponderExcluir
  15. Então palmas para as pessoas que inovam no seu cotidiano, que não se mantém presas a uma rotina alllllllllways igual e boring, porque são essas que vão ter a sensação de TRULLY VIVER A VIDA, sem perder uma só memória. A dica é, pra quem quer que seja, de SER DIFERENTE, de fazer coisas diferentes. Driblar o cérebro para ele não apagar as lembranças! Tirar um fim de semana pra viajar, aproveitar uma segunda-feira pra tomar sorvete, comprar roupas na sexta seguinte. Um dia voltar da escola a pé, ou de ônibus, numa rota diferente... São essas pequenas mudanças que vão ficar marcadas na memória, e é uma boa forma de aproveitar a vida :)

    Aiiiiii sorry se escrevi muito, mas também já fui muito incomodada com esse assunto e queria completar seu post... beijinhos!

    ResponderExcluir
  16. Embora eu seja uma dessas pessoas que vivem falando que o tempo está passando enlouquecidamente rápido, concordo com tua opinião. Nós que mudamos, não o tempo.
    E estamos esquecendo, mesmo, de aproveitar o tempo que temos. Gente!

    Foi um ÓTIMO texto, Annoca. Como sempre, né? Me fez pensar.


    Um beijo!

    ResponderExcluir
  17. Gente, amei o post, e AMEI o comentário da Jana! Anna, se eu fosse tu, anexava ao post.. auiheiaue! Explica muita coisa cientificamente (já que a Jana é praticamente uma cientista engenheira, mas cientista).

    O melhor é que eu leio e escuto a sua voz irritada, porque é assim que são as pessoas. As pessoas que segunda-feira chamam pelo sábado, em fevereiro chamam pelas férias, e em outubro dizem que odeiam o natal. Mas a sua voz é tão fofa! Então meu cérebro se contradiz com a sua voz irritada (hahah).

    Temos que aproveitar... Mas não do jeito irresponsável e (ridículo para mim)das pessoas que afirmam "viver a vida", mas do jeito que a Jana disse. Fazendo tudo o possível para ser diferente, para se sentir diferente!

    Quantas vezes eu não andei para pegar o ônibus e, já no terminal, fiquei sem entender como tinha ido tão rápido?

    Essa é a vida... :)))

    Beijos!

    ResponderExcluir
  18. Agora que eu li o comentário da Jana, lembrei que o meu tio (aquele da paúra com bolinhas) disse que agora está em umas de fazer as coisas de forma diferente para o cérebro não acostumar com as ações. E que daí agora passa a comer coisas diferentes e em horas diferentes e sentando em lugares diferentes e comendo com a mão esquerda.

    (só tem louco na minha família)

    .... mas acho que foi isso aí que a Jana quis dizer, não? rs Só você, Anna Vitória, pra tornar uma irritação a respeito de um assunto corriqueiro em uma coisa polêmica dessas. Agora o MEU cérebro parou de apagar informações a respeito desse assunto simples, pra prestar atenção e dar importância ao fato, porque VOCÊ foi lá e comeu com a mão esquerda.

    Sem condições você, viu?

    (mentira que você fica irritada com essa voz, vai!)

    ResponderExcluir
  19. Tenho sérios problemas com a administração e a percepção do tempo, admito. Uma coisa meio Carolina, da música do Chico, sabe? rs. O comentáriozão da Jana ficou ótimo e completou direitinho o que você se propôs a dizer com o post. Ficou ótimo e esse comentário tá parecendo processo avaliativo da faculdade, desculpa haha

    Beijo, Anna ;*

    ResponderExcluir
  20. Tudo bem que eu penso em Março de 2012 o tempo inteiro... e corro atrás disso o tempo inteiro. mas você me perdoa porque entende, né?
    Todavia, você tem razão. Procuro ter equilíbrio, não me ater só ao agora, nem me prender demais ao que vem depois. não descuidar de um, nem de outro. Quando a gente "cresce" é obrigado a pensar nisso... na marra!!!! Mas já comemoro ter conseguido me livrar da nostalgia do passado...
    beijos, querida.

    ResponderExcluir
  21. Eu AMO essa música.
    As pessoas realmente esquecem de viver o presente, mas não percebem que o amanhã nunca chega. Quando se vive pensando em como vai ser o futuro é como se esse futuro nunca chegasse. Dai o tempo realmente parece passar rápido demais.

    Vejo muita gente comentando "tenho tanta coisa para FAZER que parece que esse dia não vai acabar nunca". Quando a gent FAZ a gente percebe realmente como é o tempo e como ele dura. Quando a gente só planeja ou faz pensando no futuro e não no que se está fazendo, o tempo acaba logo, pois ao final, não conquistamos nada de concreto. Fica a sensação de que não deu tempo... Mas não é bem isso.

    "Temos todo o tempo do mundo"

    ResponderExcluir
  22. Renato Russo é tipo, a minha religião. Com ele eu aprendi tudo o que deveria aprender pra continuar aprendendo, sabe?
    A respeito do tema, bem, é um fato. Fatos se discutem?

    ResponderExcluir
  23. Quando a gente vai ficando mais velho e começamos a trabalhar, estudar, arrumar tempo para exercício físico, limpar a casa, cozinhar... Realmente o tempo voa e a gente não percebe. Lembro que o tempo começou a ficar mais rápido na minha vida quando comecei o meu primeiro estágio... E foi daí oara pior. Infelizmente é o tempo da vida moderna e por mais que tentemos, é difícil aproveitar muito mais com tanta coisa para fazer.

    Btw, acho as músicas da legião um porre e ouvi-las é perda de tempo hahahahaha Com certeza Renato Russo não trabalhava 10 horas por dia, passava 4 horas no transporte público, não tinha que cozinhar, fazer faxina, arrumar tempo para o namorado, para os parentes, para fazer compras... Não é que a gente esqueça de viver é que realmente tem muita coisa para fazer e o dia só tem 24 horas.

    ResponderExcluir
  24. Ai Anna...me identifiquei super com o post porque sou dessas que fala que o tempo passa rápido sim! E sou dessas que anseia pelo fim de semana e quando ele chega não faz nada de diferente. E sou dessas que percebe que o ano está na metade e não fiz nada do que planejei lá no dia 01 de Janeiro! Sabe o que isso se chama? Ansiedade! Ansiedade pelo dia de amanhã, pelo próximo mês, pelo Natal, pelo Ano Novo...ansiedade de quem já passou dos 30 e quer casar na igreja, ter filhotinhos, formar família e que tem medo que o tempo passe tão rápido que daqui a pouco já tenha mais de 50 e não tenha realizado nada disso! Tô perdoada????? Rs! Beijos

    E ah...amo essa música do Legião!

    ResponderExcluir
  25. Sabe Anna, esse seu post serviu para me dar um "tapa na cara". Embora eu ainda não tenha conseguido mudar isso, sou uma dessas pessoas que fica dizendo que o tempo está correndo e que o ano está quase acabando.
    Concordo com você, quando deveríamos então dar mais atenção para o que estamos fazendo com o nosso tempo, mas a correria do dia-a-dia acaba nos levando a essa sensação, de que mais um dia se foi e nem vi passar.
    Amei o texto e o comentário também! Super completou a ideia!
    Bjitos!

    ResponderExcluir
  26. Nossa quanta coisa eu aprendi nesse post D:
    ah brigada !!!! sempre ouvi muito isso e nunca tive muita paciencia pra aguentar tambem haha sempre pensei que o importante era não perder o foco, não deixar de fazer planos e ter coisas novas sempre ! olha aí a ciencia mostrando o porque disso ! Curti muuuito !!!!

    ResponderExcluir