sábado, 4 de setembro de 2010

Comprimidos

Anos atrás recebi por e-mail o hilário "Como Dar Comprimido Para Um Gato", que ainda leio e caio na risada, ainda mais por lembrar das histórias dos meus tios e primo, que tem duas gatinhas, sobre como o texto é baseado em fatos reais, e das peripécias que eles já realizaram para medicar suas adoráveis bichanas que atendem por Linda e Doce. Por conta disso, cresci imaginando que dar um comprimido a um animal de estimação é uma tarefa que requer bastante empenho e coragem. Nunca me aventurei a dar remédio algum ao Happy, via de longe a peleja que era a de mamãe tendo que enfiar aquele pug de doze quilos, que pulava, arfava e tentava fugir de todas as maneiras, dentro do tanque e a peripécia que era enfiar-lhe um comprimido goela abaixo.

Essa semana Chico adoeceu pela primeira vez desde que está conosco. Sr. Buarque versão poodle está com erlichiose, que felizmente foi diagnosticada cedo, e agora passa muito bem obrigada. Chegamos ontem do veterinário carregadas de remédios e recomendações, coisas que combinam bastante com duas donas neuróticas e corujas como mamãe e eu. Fiquei um tanto quanto apreensiva ao saber que, por terem uma hora certa, era eu que deveria dar a maioria dos remédios, logo eu que não sou nada jeitosa. Já me via caída no chão resfolegando, com comprimidos babados e moles espalhados pelo cabelo, enquanto Chico provavelmente ria da minha cara de otária confortavelmente escondido embaixo da cama. O veterinário me demonstrou como deveria fazer, e claro, pareceu fácil demais quando ele fez, do mesmo jeito que quando vemos nossa manicure fazendo nossas unhas, ou então o Jamie Oliver montando um prato, achamos que aquilo é a coisa mais simples do mundo.

Dada a hora do antibiótico, lá fui eu para minha missão. Sentei o Chico no sofá, olhei pra cara dele, ele me olhou, e na hora que encostei em sua boca para tentar abrí-la, ele já estava longe. Tentei algumas outras vezes, mas sem sucesso, não consegui nem ao menos jogar o comprimido lá, ainda que fosse para ele cuspir depois. Aí me lembrei o que o veterinário me falou primeiro: ter bastante calma, confiança, e não ter dó de abrir a boca do bichinho e enfiar o dedo, e o comprimido, lá dentro. Dei um descanso ao meu poodle enfermo, assisti um pedaço de episódio de The Oc e fui tentar de novo. Dessa vez me sentei no sofá, coloquei o Chico em pé de frente para mim, segurei ele entre os meus joelhos, com uma mão segurei a mandíbula, e com a outra fui com tudo na goela do bichinho. E consegui!

Quando mamãe chegou em casa não parei um segundo de me gabar para ela que, coitada, é canhota e desastrada e se descabela inteira ao tentar dar os benditos comprimidos. Ela ficou impressionada com a rapidez com que eu consegui fazer Chico tomar os remédios, e agora sou a enfermeirinha oficial dele aqui em casa. Virou quase modalidade olímpica essa coisa dos comprimidos, a cada hora quero conseguir mais rápido, quero sair menos babada, e fazer com que ele se aborreça menos; apesar de toda minha eficiência, minha recompensa é aguentar Chico emburrado comigo, que logo depois do remédio corre para algum lugar e por lá fica escondido por quase uma hora, sem me olhar na cara. Rancoroso, isso que esse cachorro é.

Repassando, para os donos de cães que veem a hora dos remédios como um suplício: segure ele com as pernas, agilidade nas mãos, coragem, força na peruca, e dedo na goela com fé, mas sem machucar.

Gregory House apoia esse post!

21 comentários:

  1. Sempre que leio seus textos me divirto abeça... acho q jornalismo deveria ser sua primeira opção... tem dom nato, criatividade, espontaneidade, um tom certo de humor, detalhista ao extremo, nos fazendo ver (leitores) cada momento, sentir e quase vivenciar o ocorrido.
    Parabéns!
    Sinto que já te conhecesse em profundidade, seus gostos, experiências, delírios, e posso vê-la sorrir ao digitar seus pensamentos e devaneios enquanto ouve música e come chocolate.
    Um beijo linda!

    ResponderExcluir
  2. Eu fazia isso com os meus cachorros, sofria, saia toda babada, cachorro puto da vida comigo... mas descobri uma técnica mais fácil!
    Basta pegar um pedaço de presunto (ou outra coisa que seu cão nem mastigue na hora de comer), enrole com o comido e dê para ele comer. Praticamente dura um segundo, pegou, engoliu, já era!
    E espero que Chico melhore rapidinho! *-*
    Amo demais o seu blog! ;*

    ResponderExcluir
  3. Ei Anna!
    Eu também nunca dei um remédio pra Kimmy, mas ela é até bem boazinha. Tem um comprimido que ela toma que ela gosta dele! Então só precisamos por na frente dela e mandar ela comer que ela come. Já com os outros não funciona assim, mas ela toma sem maiores problemas, e minha mãe é craque!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. shaushuahu Ri muito! Minha mae que se encarrega de dar remédios pra meu poodle que vive enfermo. O coitado estoura o ouvido sempre, e tem problemas com a pele. Teve um tempo que ele tinha que tomar enjeção 2 vezes ao dia por 5 dias, o coitado se tremia todo quando via minha mãe se preparar. Eu quase chorava, não aguento ver o inocente sofrer, mas é pra o bem... rsrs! :-D Bjs e parabéns pela coragem, querida!

    ResponderExcluir
  6. hhhahahaha, adorei o 'enfermeirinha oficial'!!!
    Nunca dei remédio algum pro meu cachorro, o Apolo, mas qd precisamos dar meu pai coloca no meio da carne pra ele comer! E essa dica a veterinária, minha prima, que deu!!!
    Mas imagino seu sofrimento! Rs!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  7. Nossa, Anna. Tudo isso pra dar comprimido a cachorro? É bem mais fácil do que dar a gato: é só enrolar num pedaço de carne, pão ou salsicha e dar que eles devoram sem nem saber que é remédio.
    Eu que tenho dois gatos (além de três cachorras) e tive o azar de os dois adoecerem na mesma época sei bem como esse texto que você indicou é verdadeiro. É um martírio, mas ainda bem que alguns veterinários sabem e já receitam remédio líquido ou injetável.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Meu Deus, amei amei amei!
    Grande Anna, que habilidade, jamais consegui dar remédio pra Mel, meu pai se encarrega.
    ri um monte...
    Beijo, queri!

    ResponderExcluir
  9. Ah, o meu cachoroo morde quando tentamos dar alguma coisa.
    Então colocamos o comprimido no meio de um pedacinho de pão. Ele, guloso como é, engole o pão e nem sente o remédio.
    Ninguém sai babado, muito menos mordido! :D


    Beijo, Anna!

    ResponderExcluir
  10. Por indicação "Blogday" de algum blog, parei aqui e ri demais com o post. Primeiramente pela maneira hilária que você descreve a cena, segundo porque também tenho um Poodle e me coloquei na situação. Ri de novo!


    Beijão!

    ResponderExcluir
  11. Nunca tive cachorro - meu pai nunca deixou -, mas já prometi que quando for morar sozinha a primeira coisa que farei é adotar um, antes mesmo de comprar sofá ou colchão pra mim. Adorei o post! Espero que seu cãozinho melhore, Anna! E que o rancor dele passe, hehe (:

    ResponderExcluir
  12. hahahahahaha!!! Só a srta pra alegrar meu dia frio e cinza (SP...)!!! Não sei se visualizei certo, mas e se você prender o Chico no meio das suas pernas, tipo, ajoelhada? Você prende o bichinho (rancoroso rsrs) entre os seus joelhos e coloca o comprimido prendendo o pescoço dele com o braço como se fosse judô... mas cuidado pra não asfixiar o Mr Buarque, nem esmagá-lo... hahahaha!!!! Da proxima vez pede pra Naná ou pra sua mãe filmarem??? Please!!!!!
    beijos!

    ResponderExcluir
  13. Ai, eu fiquei lembrando das aventuras de dar remédio em gotas pro meu cachorro, já tive várias rs É remédio em seringa que a gente fazia ele tomar, e os comprimidos com ele só tem um jeito, eles vão camuflados em gordos pedaços de salsicha ou qualquer coisa de gosto forte, só assim, já tentamos de tudo, e olha que o Nick tem uns 30 cm de altura (acho que nem isso rs)
    Aah, o Nick também é um poodle rs

    Beeijos ;*

    ResponderExcluir
  14. Me diverti imaginando você enfiando o comprimido na goela do cachorro, haha! Adorei o House ali embaixo, apoiando. =*

    ResponderExcluir
  15. Hahaha, hilário!
    Eu já tentei dar remédio pra um cachorro, mas era em gostas, o que deixou tudo mais fácil (e olha que na terceira ou quarta gota ele começava a se contorcer loucamente e dificultava todo o processo). Imagina comprimidos!

    E, ah..., me lembrei do meu chowchow que adoeceu e teve que ir embora ):

    Beijo!

    ResponderExcluir
  16. Hahahahahah Adorei! Pena que nunca me deixaram ter um cachorro, senão tentaria a sua tática. Muito obrigada pela dica, de qualquer jeito. Me lembrou Marley&Eu.

    Espero que o Chico esteja melhor. Com esses remédios, garanto que ele vai querer melhorar o mais rápido possível!

    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Menina eu ri muito aki. Melhoras p/ Chico. House deve estar mto orgulhoso de vc hauhauah.
    beijos!

    ResponderExcluir
  18. Eu sei direitinho como eh isso.. rs.
    Apesar que o meu Ace nao da tanto trabalho, sofro mais em ve-lo sofrer msm; ele so tomou remedio uma vez que comeu uma espuma de ursinho aqui o_O era mto novinho, teve que vomitar e tals; e a outra vez era dor de ouvido (shih tzu dao mto infeccao/dor de ouvido); o que me corta o coracao eh ver qq bichinho sofrendo..
    Gracas a Deus o Chico ta bem ;) e eles emburram, mas no fundo sabem que eh pro bem deles e q a gente os ama ;D
    Com o tempo vc se torna uma mae melhor e melhor ueuehhe... Beijos!!!!

    ResponderExcluir
  19. hahaha muito bem! Adorei o post, ri muito!

    ResponderExcluir
  20. Hey ^^

    Haaaa gostei muito o bom que aprendemos kkk quando a Katy (por coincidência é uma poodle) fazer drama já sei...

    Xoxo

    :: Loma

    ResponderExcluir
  21. É só ter força de vontade e não desistir... hihihi
    Eu também acho que penaria para dar compromido pra um animal. Sou totalmente sem jeito com essas coisas, imagina ter que segurar e não machucar? :)
    Bjitos!

    ResponderExcluir