domingo, 3 de junho de 2012

Sou cara de pau com muitas pessoas, mas não com você

Conversando com minha melhor amiga sobre o quanto eu estava surpresa com o fato de já ter amigos na faculdade e que torcia para que ela encontrasse a turma dela tão facilmente como aconteceu comigo, escuto: "Vai ser um pouco difícil com essa minha cara de antipática, né? Se bem que você tem muito mais cara de antipática que eu." Rimos juntas na hora mas depois, rememorando isso, pensei comigo mesma: Até tu, Anaisa?

Já expus aqui minha total falta de traquejo social e a forma como isso faz com que as pessoas tenham uma ideia errada da minha pessoa. Por não saber como agir, na maioria das vezes ajo errado e quem fica de estranha sou eu. A novidade é que só agora percebo que isso acontece numa proporção muito maior do que eu antes supunha. Já tinha ouvido bastante que as pessoas por vezes pensam que sou metida, mas ultimamente o que mais tenho ouvido é que as pessoas tem medo de mim. Medo, gente. De mim. Eu, com essa voz de pônei e minhas paranoias patéticas, meto medo em alguém. Muitos alguéns. Analu e Marie adoram dizer que pensavam que eu as esnobava sem dó. A última da Analu, que ela contou semana passada, foi que quando começou a visitar o blog, ela tinha vontade de saber como eu configurava a data das postagens (!) e se martirizava com essa dúvida, mas não tinha coragem de me perguntar. 

Aliás, o começo da conversa foi bem diferente. Estávamos eu, Analu, Taryne e Milena conversando sobre o nossa dificuldade de conversar com os outros e o medo de sermos ignoradas quando a Analu me solta: "Eu nunca tive medo de chamar a Milena no chat, por exemplo. Mas eu demorei a ter coragem com a Anna". Até tu, Analu?

Sabe o que é mais bizarro em toda essa história? Eu, aqui do meu canto, aqui com minha cara de antipática, também morro de medo de falar com um monte de gente. É uma espécie de inception do medo de conversar com os outros e passar vergonha. É uma insegurança extremamente infantil, mas nem por isso menos torturante. Diante de uma pessoa com a qual eu não tenho muita intimidade fico com aquele medo de puxar assunto e parecer aleatória demais ou pior, de estar incomodando. Falo oi e já imagino a pessoa do outro lado pensando consigo: lá vem a chata., por que essa menina tá falando comigo? E meus interlocutores intimidantes nem são tão distantes a ponto de figurar na lista dos temidos semi-conhecidos; se não me sinto à vontade o suficiente pra chegar dando um tapa na cabeça, beliscando a barriga (sou um amor) ou abordar utilizando algum apelido de gosto duvidoso (pero pensando com carinho imensurável), é provável que me deixe sem graça.

Fico pensando na quantidade de pessoas que poderiam ter se tornado amigas caso nem eu ou elas estivesse com esse medinho de dar a cara a tapa. Parafraseio mal e porcamente o Jeff Tweedy no título pra dizer que não tenho problemas em abordar estranhos na rua, pedir entrevista, mendigar copos descartáveis com a moça da cantina pra tomar uma Coca-Cola que não foi comprada lá, perguntar pra um garoto da escola se ele tem parentesco com um ex-colega de classe meu, fingir de americana pra me infiltrar num hotel e tirar fotos de lá (baseado em fatos reais), etc. No entanto, basta me apontar uma rodinha de conversa com pessoas da minha sala não tão chegadas que eu tremo toda e peço ajuda aos universitários. 

E no meio desses ruídos de comunicação ainda tem o problema da cara de chata. Muitas pessoas com quem compartilho o defeito nem ligam tanto, mas eu sou do tipo que se importa porque vivo reparando na cara de legal (ou o contrário) das pessoas. Vai ver que é por isso que tenho uma birra tão enorme da Angelina Jolie, porque no fundo sei que, analisando apenas a expressão, ninguém teria vontade de passar a tarde comendo brigadeiro e fazendo as unhas comigo. Tomando novamente liberdade indevida com a letra de Reservations, um apelo: como é que mostro pros outros que quem tem medo e não sabe lidar sou eu?

Uma vez, conversando sobre gordices com umas pessoas da minha sala, nas primeiras semanas de aula, depois de dizer que amava pipoca com Nutella, ouço: "Nossa, nunca pensei que você fosse dizer isso. Você tem cara de quem gosta de acelga." Depois dessa mudarei minha bio no Twitter para: pareço gostar de acelga mas sou legal, ou então - e com o perdão do vocabulário chulo, cara de cu e bom coração.



18 comentários:

  1. Ei, Anna, estou bagunçada num misto de compaixão, vontade de dar risada da situação e identificação total. Porque eu sou assim também, embora agora eu seja muito mais sociável, continuo conversando muito pouco e tendo uma puta cara de búfalo bravo que espanta as pessoas. Também sempre escutei coisas como 'nossa, eu achava que você era tão metida!'
    Esses somos nós, seres humanos, para sempre julgando pelas aparências =/

    Mas numa coisa você tá ganhando: eu não tenho uma turma na faculdade, e olha que já tô lá há um ano e meio. Tenho duas amigas lá, e juntas formamos a turma dos rejeitados. E acho que tem mais uma chegando pra fazer parte dele conosco. Quem sabe até o fim do ano eu não terei realmente minha turma, hã?

    :*

    ResponderExcluir
  2. Hahahahahah comigo é a mesma coisa, só que uns 80% pior ^^ Eu tenho MUITA cara de antipática, e não sei puxar assunto com desconhecidos exatamente pelo fato de não conhecê-los e de achar que estou incomodando. E ainda tem mais um milhão de motivos, mas enfim. Vou usar essa frase para a vida: "cara de cu e bom coração" hahaha :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Meu nível de compatibilidade com tudo o que vc escreveu é alto.

    Eu tenho um certo trauma em puxar assuntos e manter contatos,pois grande parte das pessoas com que eu tentei puxar assunto realmente não queriam conversar...

    *adorei a letra de Reservations *-*


    AH e por causa do texto passado eu viciei demais(demais mesmo) em All these things that i've done...

    ResponderExcluir
  4. Noossa, sou assim também.
    Eu realmente não consigo prolongar dialogos ou até começar um com pessoas pouco conhecidas... Foi dificil na escolas, cursos e afins..
    Agora com os amigos, os poucos, sou uma louca.

    ResponderExcluir
  5. Engraçado que mesmo um texto pra ser revoltado você escreve de um jeito totalmente cômico. Olha, eu nem ligava que vc não falasse comigo quando eu comentava no teu blog, porque pra mim vc era outro nível de gente, sabe? Daquelas famosas que não tem tempo pra ficar conversando com todos que comentam em seu blog e por isso quando você foi no meu pela primeira vez eu quase morri de tanta felicidade. MASSS quando eu vi a tua cara pela primeira vez, senti vontade de correr pro abraço. Porque você é fofa, é linda e nem tem como te achar chata! É sério que tem gente que te acha chata? Quando eu ouvi tua voz pela primeira vez, confesso, eu ri. Porque na minha cabeça tu tinha uma voz imponente e quando abriu a boca e veio aquela voz mais fofa do mundo eu fiquei com mais vontade ainda de te encher de abraços, entende? Você tem cara de ursinho de pelúcia fofo, não algo para ser temido ou sei lá.
    Mas assim, compartilho dessa birra /medo de conversar com gente "desconhecida", principalmente na faculdade e tal. Mas não acho que eu teria coragem de me fingir de americana para tirar fotos do hotel, só me fingi de americana para evitar conversa de gente esquisita mesmo, rs. MAS eu nunca falei com alguém da máfia no chat (sem ser analu/gabi dos ps/fran) não tenho coragem, fato, mas as pessoas também provavelmente não se interessam, né. Então mantenho-me calada. Sou dessas.
    Enfim Annoca linda do meu coração, eu só vou ter medo de vc se vc apertar demais minhs bochechas e deixá-las com hematomas, as pessoas tendem a fazer isso e eu não suporto.
    Abraços <3

    ResponderExcluir
  6. HAHAHAHHAHA, Adorei, Anna! Pois é. Eu tinha medo de você. Já me restava pouco medo na época que começamos a festar com vídeos, mas se ainda me restava, acabou tudo ali quando eu me deparei com toda aquela voz de pônei, e de repente tudo ficou singelo e feliz. E eu ainda dou risada sozinha em lembrar que eu morria de vergonha de falar com você, e esse ano você fez um VÍDEO de aniversário pra mim, dizendo que me amava, e que tinha certeza que eu te ajudaria a esconder um corpo, caso você cometesse um assassinato. (Se tiver alguém do FBI lendo isso daqui, que procure um vídeo seu e garanta que você jamais mataria uma formiguinha).
    Você não tem cara de cu, você tem cara de diva superiora, e divas superioras me assustam. Eu criei coragem de falar com você, e foi mais fácil, até porque, você é mais nova que eu. Agora, com a Airen é difícil. Ela vive falando que é minha AMIGA, e eu tremo nas bases toda vez que falo com ela no chat imaginando que quando a janelinha pisca ela vai pensar: CARALHO, LÁ VEM AQUELA INSUPORTÁVEL DA ANA DE NOVO.
    Vida.
    E eu te amo, sua coisa linda! <3

    ResponderExcluir
  7. É porque você intimida muito as pessoas (tô falando do mundo blogueiro, haha) com sua escrita sensacional, aí da um certo medo Não vou mentir, até fiquei com frio na barriga de estar comentando nesse post :P

    Beijo!

    ResponderExcluir
  8. Anna,
    nunca tive receio de me "aproximar" de você, até porque, de toda a blogosfera, o teu blog é o meu predileto, o primeiro que leio no dia, juro!
    Nunca te achei com cara de metida. Mas as pessoas me acham assim também. Acho que uma metrida à besta reconhece a outra, então tá tudo certo!
    Hoje em dia não me importo significativamente com o que dizem ou pensam de mim. Cansei de olhar para os lados. Quem perde são eles.
    Mil beijos!

    ResponderExcluir
  9. Entendo perfeitamente isso. Semana passada eu estava na aula e meus dois colegas da frente falavam sobre como o Neymar e seu cabelo estilo tenho-um-gambá-morto-na-minha-cabeça é ridículo, aí eles olharam pra mim e falaram: Mi, desculpa, eu não sabia que tu gostava dele.
    - E quem disse que eu gosto? Eu detesto. Ele é ridículo mesmo e representa tudo que há de ruim num cara.
    - Bah, mas tu tá com uma cara de psicopata que dá até medo, parece que vai nos matar!

    Risos. Muitos risos. hahaha
    Ao invés de cara de antipática eu tenho cara de psicopata. Acho que é pior, né? E quem conversa comigo pela internet diz que eu sou super simpática (coisa que eu não acho, mas)...

    Mas que eu tinha meio que medo de comentar aqui no seu blog, isso eu tinha. Você passa uma imagem meio que "fechada", de "tenho meu grupinho e você só entra se eu convidar". Mais ou menos isso.
    Ai, ai... essas impressões sempre ferram com todo mundo. :/

    Beijo!

    ResponderExcluir
  10. Se você tivesse postado simplesmente "Diante de uma pessoa com a qual eu não tenho muita intimidade fico com aquele medo de puxar assunto e parecer aleatória demais ou pior, de estar incomodando." já tinha me ganho, Anninha. Me senti todinha dentro do seu texto. Não foram poucas as vezes que ouvi que "eu intimido as pessoas". Eu, do alto do meu 1,52m de altura. E o pior de tudo: não faço ideia de como eu faço isso. Foi o que você falou do medo de ser chata, inconveniente. Até na internet. A Máfia foi o primeiro lugar em que eu me abri mais um pouquinho, e ainda assim não foi lá 'aquela brastemp'. O meu grande sonho é um dia conversar com cada uma de vocês, individualmente; coisa que eu nunca fiz com nenhuma.

    Então, Annoca, se achar alguma solução pro nosso problema, divide comigo, sim?
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  11. Pô, me indentifiquei,
    Tenho medo de puxar assunto com as pessoas com medo de incomodar, por isso nem falo nada. E tem gente que diz que eu sou tapada, ás vezes até eu acho isso hahaha

    ResponderExcluir
  12. Nossa, sou assim mesmo! Várias pessoas que me conhecem falam que não falaram comigo porque achavam que eu era antipática, mas na verdade eu tenho MUITA vergonha de chegar conversando assim do nada. Nunca sei o que falar rs, e como você disse se for pra pedir informação, pedir desconto, etc, eu falo na boa, mas pra socializar, nada haha. Eu sempre acho que a pessoa vai me achar estranha e sem graça

    ResponderExcluir
  13. Você me descreveu tão perfeitamente que até duvidei se era você mesma a personagem do texto. Impressionante. Até pipoca com nutella.

    ResponderExcluir
  14. Muito bom!! Adorei o texto!! Eu também sou do tipo mais discreto! E acho que ganho com isso...
    Cadê vc no blog? rs

    ResponderExcluir
  15. Estranho ler isso porque, bem, eu tenho uma cara meio mal encarada (além de ser feia -q).E, as pessoas não se aproximam de mim,acho que pelos dois motivos citados.Enfim,acho que a gente que tem que ir quebrando esses muros.

    ResponderExcluir
  16. Olha, eu não sou a pessoa mais legal do mundo, mas mesmo assim me surpreendo quando também escuto que assusto algumas pessoas. Bom, eu sempre te achei simpática, inteligente e no começo fiquei envergonhada de comentar no blog e puxar papo, mas medo nunca. Só timidez normal.

    Enfim, é engraçado quando a gente descobre isso :P

    ResponderExcluir
  17. Pessoas estranhas: ok. Pessoas meio-conhecidas: ops.
    Também sou um pouco assim, mas me forço a mudar e dar a cara a tapa.
    Confesso que quando comecei a acompanhar teu blog, há anos, não comentava por achar que "nossa, essa menina vai me achar muito idiota" Medo mesmo. Eu também. Aham.
    Depois da Máfia tudo mudou. hahaha
    Depois que eu ouvi essa voz de pônei coisa mais linda então, tudo melhorou. <33
    Beijo Annoca.

    ResponderExcluir
  18. Sério, chorei de rir com esse post. Pelas poucas fotos que vi sua, não acho que tem cara de antipática, mas deve ser porque sempre leio seu posts e não consigo ver isso em você.
    De qualquer forma, tinha uma época que me achavam com cara de metida. Hoje, não sei porque diabos, não falam mais isso de mim. O negócio é que meu primeiro dia na faculdade foi aterrorizante porque não tinha amigos, mas depois que me incluíram (se não me incluíssem, estaria sozinha até agora) foi mais fácil de fazer amizades. Hoje falou com todo mundo na classe ou quem se dirige a mim, estou aprendendo a ser menos tímida. Mas às vezes nunca sei o que falar direito. Ou me afobo demais.

    ResponderExcluir